The true story # 9

            Algumas horas depois já com o Tomás e depois de ter-mos fumado 40 paus de droga, e de termos apanhado uma carroça maior que os bois todos juntos (nós), chegámos ao ponto de andar a partir as garrafas de litrosas já mais secas  que o deserto mais árido deste mundo pela rua fora. O Max cantava e eu já sentia os meus tímpanos em sangue só de o ouvir, já o Alex passava o tempo a pregar-me rasteiras enquanto andávamos. Devia estar com a tesão do mijo, mas não estava com sorte, porque o meu interesse seguia um 5 passos à minha frente. Depois do sucedido mantivemos uma conversa tipicamente normal. Era até um pouco estranho porque eu tinha abusado um pouco. Entretanto eu passei-me com o Alex e mandei-lhe um grito:
              -Tás com cócegas na pila meu? Pára lá de me fazer rasteiras que já tenho o cérebro em papa de tanto abanão! - O melhor de tudo é quando eu digo para pararem e simplesmente continuam com as brincadeiras de merda que me tiram do sério. Parei de andar, voltei-me para ele e avisei-o.
              -Se me voltas a fazer mais uma rasteira juro que te deixo a fruta em molho Alex! - Continuei a andar, e ele não tem mais nada! Faz-me outra rasteira. Ah caralho e eu que fervo em pouca água passei-me completamente, dei uma volta de 180º e espetei-lhe um biqueiro nos tomates. Ele como normal contorceu-se de dor, mas foda-se eu nem a merda da moca podia curtir que aquele caralho não me deixava em paz. Mas como sou um coração mole e depois de fazer o mal sinto um remorso enorme tive de ir ver como ele estava, porque de facto ele quase chorou ali no meio da rua envolto em dor. 
              -Tão pá? Foi assim com tanta força? - Dizia eu tocando-lhe no ombro.
            -Foda-se Scar, aleijaste-me imenso ! - Ele gritava mais que falava, já para não falar que parecia um tomate gigante com roupa vestida, de tão vermelho que estava. Até conseguia ver as suas veias a pulsarem no pescoço e testa. Vi que estava mesmo mal. E como é normal pensei que era uma idiota e que não devia ter feito o que fiz. Mas sou impulsiva e não tolero que depois de avisar me continuem a chatear os cornos.
             -Vá desculpa lá, mas é para aprenderes que quando aviso é só uma vez Alex. Anda eu ajudo-te a levantares-te! - E com muito esforço é que ele se levantou, quase não se conseguia mexer, e os rapazes só se riam da situação.
              -Mas o que foi caralho? Estão a rir-se da desgraça dos outros, devem querer o mesmo destino dele. Nesse instante o riso em coro resultou num silêncio absoluto e quem se riu foi o Alex, e eu acompanhei. 
              -És mesmo sádica! -Disse o Chico.
              -Sádica? Sádica é pouco, ela é louca! -Reforçava o Tomás!
            -Até parece que vocês não me conhecem, sabem bem como eu funciono meus amores. - Finalizei eu! Nesse momento o Guilherme sentado num banco junto ao rio diz:
             -Depois de atitudes dessas não sei quem te consegue conhecer bem. Podias ser mais meiga com as coisas que tocas. -Fiquei atónita com a indirecta dele. Estava a vê-la por dois sentidos, e não sei o qual era o que realmente estava certo. Ou ele dizia que já não tinha interesse em me conhecer minimamente, ou estava à espera que eu lhe volta-se a mexer na fruta. Ora, belo serviço pensei eu. Então para palpar terreno mencionei.
              -Ser meiga implica taxas extra a serem definidas entre a parte interessada e eu!
              -Hum, e podemos discutir isso agora ou esperamos que eles bazem? -Eu fiquei de boca aberta agarrada ao Alex, amparando-o ainda, e a quem me faltavam as forças era a mim. Ele estava a fazer os possíveis para me deixar embaraçada em frente deles. Mas mostrei-lhe de que material sou feita e respondi:
              -Doce eu não tenho tabus com os meus amigos, se tens algo a negociar é frente deles. Sabes como é, não existem segredos! -Ele aí afinou, porque também não queria mostrar que lá bem no fundo ele estava interessado em mim como eu nele. Acrescentei ainda:
              -Vá não me olhes assim, eu dou-te o meu nº de tlm e mais logo debatemos essa questão. Uma excepção para ti, que até tens um cusinho dos Deuses. -O Alex abriu logo a boca para dizer patacuadas.
              -Tãaaao? E eu, fico a chupar na ponta da gaita? Também quero o teu nº!! - Cedi.
              -Mais logo pede ao Tomás e diz que autorizei! - Olhei para o Guilherme e ele não parecia agradado com o facto do Alex também ir ser portador do meu nº de tlm. 
              -Dói-te alguma coisa? Ficas-te com uma cara de mete nojo subitamente.
              -Não não, mas pensei que a parte interessada fosse só eu, afinal... - Olhei para o Alex e disse rindo:
              -Nada de coro man, que ele requisitou-me primeiro ok? -Alex disse:
             -Ché, tem mesmo de ser? Queria tentar a minha sorte contigo pá, porque cá para nós os 3 e vendo que o Guilherme pensa o mesmo, tu és cá um naco de carne Scar! - Eu ri-me imenso e acrescentei:
              -Ai é? Então agarra-te ao caralho que te foda, que eu já não te seguro mais. -Caiu no chão de novo. 
              -Aia, és mesmo horrível Scar, não tens compaixão nenhuma pelo próximo! -Disse o Alex.
              -Claro que não, e ainda menos se o próximo estiver a tentar ferrar os as unhas na minha xixa! Não é para os teus dentes puto! - Dizia eu rindo olhando para o Guilherme que se ria também da tolice extrema a que eu e o Alex chegámos. 
              -Não te rias Guilherme, que também não é para ti, ahahahah!
              -Ai não? Vermos até onde vai essa barreira de durona comigo!
          -Até onde eu quiser e for preciso. Também sei baixar as as defesas quando o inimigo é do meu agrado! - Pisquei-lhe o olho e aproximei-me dele testando-o. Estávamos ali frente a frente, as nossas bocas a pequenos centímetros de distância, à espera que um de nós cedesse à pressão do momento. Nesse instante ele avançava lentamente e eu só pensava 'omg, beijo ou não beijo, aguento mais um tempo ou não. Conhece-mo-nos à tão pouco tempo' mas depois apercebi-me que eu não ligo mais a essas coisas. Então eu avancei devagarinho também, deixando os nossos lábios tocarem-se. Nesse instante as suas mãos deslocaram-se para a minha cintura, e eu senti, que ele sentia o mesmo que eu e que não havia mal nenhum em aproveitar a minha vida. Live fast, die fun!

8 comentários:

  1. ahaha, violenta a rapariga , hein. sem medo de apalpar/aleijar - AHAHA!

    Agora estou com tesão por mais, miuda e como é !?

    ResponderEliminar
  2. ahha, faz iso faz .. que eu ando também devo ir escrever

    ResponderEliminar
  3. Que violenta! xD
    De certo modo fiquei com pena do Alex. xD

    ResponderEliminar
  4. De nada lindaaa:D q textao boneca:D eheheh tu sim e q es muitooo qeridaa:D

    ResponderEliminar
  5. Cada vez adoro mais esta história :b

    ResponderEliminar
  6. este blog é perfeito, tenho dito !

    ResponderEliminar
  7. Adoro esta história mal posso esperar por mais! =D

    ResponderEliminar